O Joel e o Marco eram dois amigos com crenças muito diferentes. O Joel acreditava em Deus como o Rei soberano que criou tudo o que existe. O Marco era um ateu devoto que se ria da religião e pensava que todo o mundo, incluindo ele próprio, surgiu por acidente, um acaso biológico. “Como sabes que Deus existe e que a Bíblia não é um livro de histórias?”, desafiava o Marco frequentemente. “Deus existe porque a Bíblia assim o diz e podes confiar na Bíblia porque é a Palavra de Deus”, respondia o Joel. O Marco ria-se deste argumento ilógico e dizia “Isso é como se dissesses, ‘Sou um bom trabalhador porque o Carlos assim o disse.’ E eu te perguntasse ‘Como podemos confiar no Carlos?’ e tu respondesses ‘Simples: sou eu que o afirmo.’”. A lógica do Joel tem falhas e não convencerá ninguém da existência de Deus ou de que a Bíblia é verdadeira. Ainda assim, muitos hoje não têm argumentos melhores para a sua crença na Bíblia. Será que existem provas sólidas a favor da validade da Bíblia? Será que a inteligência e a razão saem pela janela quando as pessoas se tornam Cristãs?

O Sonho

Uma forma de testar a validade da Bíblia é verificar as suas profecias. Uma das afirmações de Deus é que Ele, através da Bíblia, pode revelar o futuro (Isaías 46:9,10). Examinar os registos históricos da antiga Babilónia, no livro de Daniel, ajuda a responder à questão da validade da Bíblia. Aqui encontramos um rei chamado Nabucodonosor, um rei mencionado não apenas na Bíblia mas também noutros registos históricos.

Numa noite ele teve um sonho perturbador. Porém, quando acordou, não se conseguia lembrar do sonho, apenas que este o tinha perturbado profundamente. Ele convocou os seus sábios e ordenou-lhes que lhe contassem o seu sonho e a interpretação. Os seus sábios ficaram perplexos com este pedido. Eles disseram: “Não há homem algum na terra que possa fazer o que o rei quer…” (Daniel 2:10-11). O rei ficou furioso e ordenou que todos os sábios da Babilónia fossem mortos (Daniel 2:12). É aqui que surge um homem Hebreu chamado Daniel. Daniel tinha sido levado cativo para Babilónia quando era ainda um adolescente. Daniel era crente em Deus. Quando o oficial da corte do rei, Arioque, falou com Daniel sobre o decreto, Daniel foi ao rei e pediu-lhe tempo para lhe contar o sonho e a sua interpretação. O rei concordou. Daniel foi para casa e suplicou a Deus por sabedoria. Deus respondeu à sua súplica e “o segredo foi revelado a Daniel numa visão noturna” (Daniel 2:19).

A Grande Estátua na História

Na manhã seguinte Daniel foi à sala do trono do rei e revelou-lhe o seu sonho. O rei tinha visto uma grande estátua. Estava dividida em cinco secções diferentes. A cabeça era de ouro, o peito e os braços de prata, a barriga e as coxas de bronze, as pernas de ferro e os pés de uma mistura de ferro e barro. Depois uma grande pedra atingiu a imagem e a esmiuçou, como palha, e o vento a levou (Daniel 3:32-35). Daniel disse então ao rei o significado do sonho. A cabeça de ouro representava a Babilónia. A prata significava a Medo-Pérsia; o bronze simbolizava a Grécia. As pernas de ferro representavam Roma.

Os pés e os dedos de ferro misturados com barro representavam o poder dividido de Roma, em parte fraco e em parte forte. Tal como o ferro não se mistura com o barro, estas nações não se ligariam umas às outras. A grande pedra que esmagou a imagem representava o reino de Deus. “E…o Deus do céu fará um reino que não será destruído, mas esmiuçará e consumirá todos estes reinos, e durará para sempre” (Daniel 2:38-44).

O Cumprimento do Sonho

Cada uma destas previsões dos reinos representados por metal cumpriu-se com uma precisão infalível. O primeiro reino, Babilónia, dominou o mundo de 605 a 539 a.C. A nação dos Medos e Persas governou de 539 a 331 a.C. O império seguinte, a Grécia, dominou de 331 a 168 a.C. O poder de ferro de Roma governou de 168 a.C. até 476 d.C. O último reino, dividido em muitos reinos menores, representa o poder dividido de Roma, as nações modernas da Europa, que ainda hoje permanecem separadas. A Bíblia foi exata em todos os cinco reinos e na altura em que surgiriam

Mais Provas Específicas

Céticos têm sugerido que as previsões de Daniel são falsas, tendo o seu livro sido escrito muito mais tarde na História. Mesmo se isto fosse verdade, o fato de que os Manuscritos do Mar Morto contêm oito manuscritos de Daniel – dos quais o mais antigo data do ano 125 a.C. (a qual é uma cópia de uma versão anterior) – mostra que esta profecia foi escrita centenas de anos antes da divisão de Roma nas nações da Europa moderna. Esta profecia é apenas um exemplo entre centenas que poderiam ser citadas para provar a inspiração da Bíblia. Outro exemplo concreto é visto na profecia do capítulo nove de Daniel, onde as datas exatas do batismo e morte de Cristo são preditas centenas de anos antes. De fato, após um exame de provas válidas como as que temos nas profecias bíblicas, podemos concluir que podemos confiar plenamente em Deus e na Bíblia! O capítulo dois de Daniel mostra-nos quão precisas e verdadeiras estas previsões são, as quais nos dão bases para ter uma fé inteligente. A Bíblia é a palavra de Deus inspirada e podemos confiar nela como nosso guia em todas as circunstâncias.

No entanto, apenas crer nesta informação não passa disso mesmo – informação. A crença, por si só, não tem poder salvador nas nossas vidas. Devemos ser mudados pela nossa crença. É de importância eterna não apenas crer na Bíblia, mas permitir que ela nos mude. A Bíblia diz que “até os demónios creem – e tremem!” (Tiago 2:19) Deus vai pegar nas nossas vidas e transformá-las em algo lindo se O deixarmos. Você vai deixar?

1. Procure “Nabucodonosor II” em wikipedia.org

“A Próxima Superpotência” -Mark Finley

”O Significado dos Manuscritos do Mar Morto” pg. 137 – James C. VanderKam, Peter Flint

4“A Próxima Superpotência” -Mark Finley

inteligent faith_Portuguese