A morte de Michael Jackson a 5 de Junho de 2009 chocou o mundo. Na cerimónia em sua memória, no dia 7 de Julho, no Staples Centre em Los Angeles, a actriz Brooke Shields tentou confortar a dor dos fãs do rei da pop, quando em lágrimas afirmou: “Precisamos de o procurar no sítio onde ele se encontra, empoleirado numa lua em quarto crescente”.

Para onde terá ido realmente Michael Jackson? Para onde vão as pessoas depois de morrerem? Será que os santos ascendem instantaneamente aos céus, enquanto os pecadores perdidos mergulham no inferno? Haverá um “tanque de armazenamento” chamado purgatório? Escorregamos para o mundo dos espíritos para flutuarmos no Outro Lado? E a reencarnação? Podemos voltar como ratos?

O nosso mundo está cheio de teorias contraditórias, mas iremos consultar apenas uma fonte: a Bíblia Sagrada. O último livro da Bíblia, o livro de “Apocalipse”, avisa solenemente que um anjo caído invisível, chamado Satanás, “engana todo o mundo” (Apocalipse 12:9). Se isto for verdade, não podemos esperar que a maioria dos seres humanos estejam certos sobre qualquer coisa, especialmente

sobre algo tão importante como o que acontece a uma pessoa morta depois de o pregador afirmar, “Cinzas às cinzas, pó ao pó”, no final do serviço fúnebre.

 

Três perspetivas primárias

Comecemos por simplificar as coisas. Em primeiro lugar, existem três pontos de vista primários sobre a morte, sob os quais recaem outras teorias.

Você morre e ponto final: é o fim – O primeiro ponto de vista é bastante popular – embora totalmente sombrio – e é promovido por aqueles que acreditam que toda a realidade é reduzida àquilo que apenas a ciência pode explicar. Baseada no dogma “apenas o que se vê é que é real”, assumem que a morte é o fim e ponto final. Morremos, apodrecemos no chão e tornamo-nos comida para as larvas e é tudo. Desaparecemos para sempre.

A alma imortal – Este segundo ponto de vista, que é o mais comum, ensina que, quando morremos, apenas o corpo se decompõe, enquanto o Eu Superior, ou “alma”, continua a sua viagem, tal como uma cobra quando muda de pele. Claro que muitas religiões têm estado em desacordo entre elas acerca do lugar para onde vão as almas depois da morte, mas a ideia de base de “sobrevivência da alma” é partilhada pela maioria.

Almas mortais e a ressurreição – O último ponto de vista defende que a palavra “alma” refere-se à pessoa no seu todo, e não a uma parte distinta e imortal que sobrevive após a morte física do corpo. Quando Deus criou Adão, Ele ”soprou em seus narizes o fôlego da vida: e o Homem foi feito alma vivente.” (Genesis 2:7). Assim, o homem não tem uma alma, em si mesmo: mas em vez disso ele é uma alma. Depois de o homem ter pecado, a sua inteira pessoa, ou alma, tornou-se mortal, ou sujeita à morte. Quando os pecadores morrem, eles retornam ao pó, e o “fôlego da vida” regressa a Deus. Este “fôlego” não é um fantasma consciente que pode visitar Lisboa depois de o seu hospedeiro ter sido sepultado em Faro, mas é antes uma centelha de vida que existe em tudo o que está vivo. De acordo com este ponto de vista, na hora da morte, a pessoa está completamente morta, ou seja, está inconsciente, silenciosa, adormecida na sepultura, aguardando o Dia da Ressurreição.

Que ponto de vista estará correto? Para iniciantes, rejeitamos o niilismo ateu porque acreditamos que Deus existe e que a Sua Palavra é a Verdade. Há um céu e um inferno também. E o que dizer sobre os outros dois pontos de vista, com as suas ideias opostas acerca da natureza da alma? O que é que o Livro de Deus realmente ensina?

 

Factos Bíblicos sobre a morte

Tal como vimos, a Bíblia Sagrada ensina que quando Deus formou primeiro Adão, ele “foi feito alma vivente” (Genesis 2:7). Anos mais tarde, “setenta almas” partiram para o Egipto (ver Êxodo 1:5). O contexto mostra que não se estava a falar de setenta fantasmas, mas de setenta seres humanos vivos que partiram para o Egipto. Perceberam? Uma alma é uma pessoa.

Próximo facto: os seres humanos caídos não são imortais. Se observarmos a palavra “imortalidade” em qualquer concordância Bíblica, vamos descobrir que se aplica apenas a Deus agora. Deus “tem, Ele só a imortalidade” (I Timóteo 6:16) e é só depois dos Seus santos terem ressuscitado na segunda vinda de Jesus que “isto que é mortal” se irá “revestir de imortalidade” (I Coríntios 15:54). Obviamente, os Seus santos não iriam ganhar uma existência imortal se previamente já a tivessem. Próximo ponto: na Bíblia, a morte é designada de “sono”. Nos tempos do Velho Testamento, o Rei David orou por protecção e pediu: “que eu não adormeça na morte” (Salmo 13:3). No fim do mundo, aqueles que “dormem no pó da terra ressuscitarão” (Daniel 12:2). Assim, os mortos dormem pacificamente “no pó da terra” até ao Dia da Ressurreição. Ao mesmo tempo, a Bíblia enfatiza que os mortos nada sabem (Eclesiastes 9:5). “Nada” significa nada. Zero. Nos cinco versos seguintes, Salomão clarificou que “na sepultura, para onde tu vais, não há obra, nemindústria, nem ciência, nem sabedoria alguma” (Eclesiastes 9:10). David escreveu “Os mortos não louvam o Senhor, nem os que descem ao silêncio” (Salmo 115:17). Assim, os mortos dormem silenciosamente. Não estão a gritar em cima nem a uivar em baixo. Nem tão pouco podem bater na sua porta depois do seu próprio funeral. Por outras palavras, o Michael Jackson não está a fazer a sua famosa dança “Moonwalk” algures no universo. Em vez disso, ele está morto, na sua sepultura, aguardando o Dia do Julgamento (Hebreus 9:27).

A epifania de toda a Bíblia é sobre o que aconteceu a Jesus Cristo há mais de dois mil anos atrás. Durante o seu santo ministério, o nosso Senhor previu que seria morto e que ressuscitaria ao terceiro dia (Mateus 16:21). E assim aconteceu. Pouco tempo depois, mãos profanas prenderam-nO, agrediram-nO e crucificaram-nO. Paulo clarificou que o que realmente aconteceu foi que “Cristo morreu pelos nossos pecados” (I Coríntios 15:3). “Cristo morreu”significa que Ele estava realmente morto. Três dias mais tarde um santo anjo anunciou: “Ele já ressuscitou dos mortos”(Mateus 28:7). Aleluia!

É graças à ressurreição de Jesus Cristo que temos esperança. Um destes dias – e acontecerá mais cedo do que a maioria das pessoas pensa – o nosso Salvador regressará à terra “com poder e grande glória” com milhões de anjos celestes (Mateus 24:30-31); e quando Ele regressar, Paulo clarificou que será nessa altura que

“os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro” e que “estaremos sempre com o Senhor” (I Tessalonicenses 4:16- 17). Assim, os que acreditam em Jesus, ressuscitarão para estarem com o Senhor quando Ele voltar.

 

Resumindo

Todos nós sabemos que a morte é real, e isso magoa-nos. No entanto, no meio da dor e da perda, as Boas Novas são que Jesus Cristo nos ama, que pagou a pena pelos nossos pecados, entrou num túmulo húmido e ressuscitou para a vida, vencendo assim a morte e a sepultura. Se nós confiarmos na Sua vitória, também podemos vencer a morte. Há muito tempo atrás, Jesus prometeu aos que responderem ao Seu amor, que se arrependerem dos seus pecados, e confiarem na Sua graça: “Eu o ressuscitarei no último dia” (João 6:44). A Sua promessa é para si hoje.

Hope after death_Portuguese